Untitled Untitled
13/08/2014

Um grande filme: "A Paixão de Cristo"



Misturar cinema e religião sempre foi um grande desafio e, inevitavelmente, sempre gerou na história do cinema diversas interpretações, umas muitas boas e outras mais severas. Muitos filmes hollywoodianos, nesta direção de discutir temas religiosos, foram, inclusive, considerados controversos, pairando dúvidas se representam com fidelidade as escrituras sagradas.

Com o ator, diretor e produtor Mel Gibson não foi diferente. O filme conta as últimas 12 horas da vida de Jesus de Nazaré, interpretado por Jim Caviezel.

No meio da noite, Jesus é traído por Judas (Luca Lionello) e é preso por soldados no Monte das Oliveiras, sob o comando de religiosos hebreus, que eram liderados por Caifás (Matti Sbraglia). Após ser severamente espancado pelos seus captores, Jesus é entregue para o governador romano na Judéia, Poncio Pilatos (Hristo Shopov), pois só ele poderia ordenar a pena de morte para Jesus. Pilatos não entende o que aquele homem possa ter feito de tão horrível para pedirem a pena máxima e eram os hebreus que pediam isto. Pilatos tenta passar a decisão para Herodes (Luca de Domenicis), governador da Galileia, pois Jesus era de lá. Herodes também não encontra nada que incrimine Jesus e o assunto volta para Pilatos, que vai perdendo o controle da situação enquanto boa parte da população pede que Jesus seja crucificado. Tentando acalmar o povo e a província, que detesta, Pilatos vai cedendo sob os olhares incriminadores de Claudia (Claudia Gerini), sua mulher, que considera Jesus um santo.

Daí para frente todo o filme é forte demais, mas é considerado o retrato mais fiel e doloroso baseado nas escrituras sagradas e na Bíblia, mostrando de forma crua o sofrimento de Jesus, com a toda a brutalidade, violência e crueldade em cena no filme. De fato, as cenas são muito fortes.

E sendo assim o filme A Paixão de Cristo causou de fato muita polêmica. Quando a Icon Productions, empresa de Gibson, anunciou a temática do filme e ainda que ele seria todo falado em latim, em aramaico e hebraico, muitos o chamaram de louco. O mercado americano não é simpático a filmes legendados e esta é exatamente uma das maiores originalidades do filme, o que lhe reveste de especialidade, entre outras tantas qualidades.



Jim Caviezel numa impressionante atuação e o diretor Mel Gibson


O papa João Paulo II foi um dos que se impressionou com o filme, e sua aparente aprovação, conta-se, alegrou muito Gibson, já que se tratava do Chefe da Igreja Católica Romana. O filme carrega uma série de imagens baseadas nos Evangelhos que servem para aprofundar a compreensão de toda a realidade e o mistério que a envolve. 



Cena de "A Paixão de Cristo"


Um bom comentário sobre o filme é o da escritora Ana Carolina Garcia em seu interessante livro “A fantástica fábrica de filmes”, quando define sua visão muito apropriada sobre este filme:

“Tanto sofrimento foi recompensado. Mesmo sendo desprezado pelas principais premiações e pelos grandes estúdios, a megaprodução de U$ 30 milhões, financiada pelo próprio Gibson, é um dos melhores filmes de 2004 e rendeu mais de U$ 600 milhos entre bilheterias e souvenirs. Não é um filme antissemita; é violento e brutal, mas não gratuitamente. É uma superprodução que narra o sofrimento de Jesus por outra visão, a visão de um diretor acima de tudo cristão, que adora a Bíblia, mostrando o amor de Cristo pelos homens. Portanto, retomando a frase de Scorsece, os espectadores devem assistir ao filme antes de julgá-lo para tirarem suas próprias conclusões... é um filme belíssimo é deve ser assistido sem preconceitos". 

  Share Post   

View Comentários 3 Comentários


Link direto para este comentario Rita
29/08/2014

Você cita que as cenas são fortes, tudo foi real, É dificil compreender como Jesus pode amar tanto a humanidade. Parabéns pelo texto e publicação. Deus te proteja.

Link direto para este comentario Neuza Maria
03/09/2014

Dr Paulo.
Essa resenha do filme é excelente. Numa havia assistido por ter uma visão pré concebida.
Assisti nesta semana a um filme igualmente perturbador cujo título é O Sétimo Selo e gostaria imensamente de ler uma resenha sua sobre ele.
Meus parabéns.
Um abraço

Link direto para este comentario ferreira
27/09/2014

Muito bom este filme.Violento e cruel mais
esplendoro.
Blog legal, parabens.
Ferreira

Faça um Comentário