Untitled Untitled
13/11/2013

O último baile da monarquia brasileira: Baile da Ilha Fiscal




"Baile da Ilha Fiscal", óleo de Francisco Figueiredo


Embora D.Pedro II nunca tenha sido um grande apreciador de festas, nunca se viu no Brasil uma festa com tanto luxo. Uma fartura total de comida. Tudo havia sido planejado para tornar inesquecível o Baile da Ilha Fiscal, promovido pelo Imperador, no sábado, dia 9 de novembro de 1889. Aquela seria a última festa do Império, já que seis dias depois, o Imperador seria deposto.


O evento, que reuniu mais de três convidados, e oficialmente homenageava o alto escalão do couraçado chileno Almirante Cochrane -ancorado no Rio de Janeiro havia duas semanas, comemorava, na verdade, as bodas de prata da Princesa Isabel e do Conde D’Eu. Além disso, a intenção do Imperador era provar que a monarquia seguia viva e forte – o que, aliás, estava longe de ser verdade. A monarquia caiu logo em seguida.

 

Curiosidades sobre a festa:

A chegada de D.Pedro II:

Quando entrava pelo tapete vermelho, o Imperador tropeçou. Amparado por dois jornalistas, não chegou a cair. Espirituoso, teria dito: “A monarquia tropeçou, mas não caiu”.

 

A grande surpresa do Buffet:

O cardápio incluía peças inteiras de caça e pesca, além de uma infinidade de aves exóticas, inhambus, faisões e macucos. Cinco mesas em forma de ferradura foram colocadas no pátio atrás do palácio para servir o jantar. O ponto alto da ceia foram os doces – entre eles sorvete, uma novidade para a época. Estima-se que foram servidos cerca de 800 kg de camarão, 300 frangos, 500 perus, 64  faisões, 1.200 latas de aspargos, 20.000 sanduíches, 14.000 sorvetes, 2.900 pratos de doces, 10.000 litros de cerveja e 304 caixas de vinhos e champagne.

 

Festa sem banheiros

Como o projeto do palacete da Ilha Fiscal era de inspiração francesa, o local não contava com banheiros. Os convidados tinham apenas poucos baldes de prata com areia dentro para seu uso. Quando a cerveja começou a fazer efeito, os homens não se apertaram e correram para a beira do mar mesmo. Já as dondocas, tiveram de se ajeitar nos cantos dos salões com baldes extras trazidos às pressas do continente.

 

Iluminação da festa:

A Ilha Fiscal contava com um gerador de energia, instalado num barracão ao lado do palacete, que forneceu eletricidade para milhares de lâmpadas dentro e fora do edifício. Além das milhares de velas, balões e lanternas venezianas, os holofotes do couraçado chileno Almirante Cochrane e de outros navios da Marinha ancorados ali perto faziam com que a ilha fosse o lugar “mais iluminado do mundo”, como escreveram os jornais da época.


Fofocas depois da festa:

Conta-se que às 5 horas da manhã, após a saída dos convidados, os trabalhos de limpeza revelaram alguns artigos inusitados espalhados pelo chão: além de copos quebrados e garrafas espalhadas, foram recolhidas condecorações perdidas e até peças de roupas íntimas femininas, raminhos de corpete (usados para esconder o decote das mulheres), coletes de senhora e uma grande quantidade de ligas. O fato pode, entretanto, ser fictício, uma vez que foi relatado na coluna humorística Foguetes, do periódico carioca ¨O Paiz¨, no dia 12 de novembro.


O nome “ilha Fiscal”.

A posição daquela ilha era bastante cômoda para os inspetores da Alfândega, devido à proximidade dos pontos de fundeio, sendo que o translado de mercadorias poderia ser executado em embarcações miúdas, sem grandes dificuldades.

A decisão da construção, assim como a do seu estilo arquitetônico, foi do Imperador D. Pedro II, tendo em conta não conflitar com a paisagem da Serra do Mar. À época, o Imperador teria afirmado: "A ilha é um delicado estojo, digno de uma brilhante joia".


Pés de valsa:

A Princesa Isabel e o Conde d'Eu que eram dois verdadeiros pés-de-valsa divertiram-se a noite inteira. D.Pedro II dançou uma única vez, ficou praticamente a noite toda sentado e ainda saiu cedo.


Cartão de Ingresso para entrada no Baile da Ilha Fiscal, veio anexo ao convite.



Convite para o Baile da Ilha Fiscal



Palacete da Ilha Fiscal. Ao fundo, a Ponte Rio-Niterói

 

  Share Post   

View Comentários Comentários


Faça um Comentário